Aprenda a investir na Bolsa: entenda porque ações sobem e descem

Em meu último texto aqui no site Ooops! em que eu recomendo firmemente a todos os corajosos a investir na Bolsa de Valores em 2018, citei de forma ligeira alguns motivos que fazem a cotação das ações subir e descer todos os dias.

Bem, meus três (ou quatro) leitores habituais se empolgaram e pediram que eu explicasse um pouco mais porque ocorre esse sobe e desce diário que a gente vê sempre no noticiário econômico, mas quase sempre com pouca ou nenhuma explicação.

Vou dar então alguns exemplos –grosseiros, até– para ajudar vocês a entender essa oscilação natural de valor das ações.

QUE DIABOS SIGNIFICA COMPRAR UMA AÇÃO?

Antes de mais nada, ação é um papel ou documento (hoje inteiramente digital) que simboliza ou representa parte do valor, uma fatiazinha que uma empresa coloca no mercado quando ela abre seu capital.

Ou seja, quando você lê ou ouve dizer por aí que a empresa X ou Y decidiu fazer o famoso IPO (pronuncia-se aipiôu), isso significa que essa empresa vai disponibilizar parte de seu valor (capital) ao público interessado.

Com isso todos poderão ter acesso à sua contabilidade, ao seu balanço, às suas dívidas, investimentos etc. etc.

Quando você compra ação de uma empresa você passa a ser sócio dela. Mesmo sendo minoritário, tem direito de saber tudo a seu respeito.

Ou melhor… quase tudo.

Como aprendemos em alguns tristes casos nos últimos anos há empresas no Brasil que manipularam informações contábeis e que ocultaram atividades criminosas de seus acionistas-sócios ou funcionários.

Com a Lava-Jato, porém, boa parte do lixo dessas empresas foi colocada à luz do sol e quase todas estão pagando por seus crimes e malfeitos.

Claro que esse se tornou MAIS um motivo que faz muito brasileiro ter medo de investir em ações.

Um outro motivo certamente é que, ao contrário da poupança, CDB, LCI, LCA e outros “cofres-porquinhos” onde você coloca suas suadas economias, no fim do mês ou do ano você pode, SIM, ver o dinheiro investido em ações DIMINUIR.

Em português claro, você pode comprar uma ação por R$ 1,00 e ela amanhã passar a valer R$ 0,50.

Esse é o grande risco que 99% dos investidores brasileiros querem evitar. Só que essa perda de valor pode se reverter (veja mais abaixo).

Além disso, como já expliquei em outros textos, se estudar com afinco o mercado você pode reduzir sues riscos para uma porcentagem muito pequena –quiçá ínfima.

E, repito, a perda de valor de uma ação pode ser revertida O prejuízo de hoje pode se tornar um enorme lucro amanhã.

POR QUE CAI, POR QUE SOBE?

Vou dar alguns exemplos bem sólidos, grosseiros, para vocês entenderem o sobe e desce.

Por questões de ética profissional e financeira, não posso usar no exemplo o nome de empresas, mas apenas dos setores.

Exemplo (fictício): se você compra ações de uma empresa que exporta suco de graviola, e uns dias depois a Índia, maior compradora de suco de graviola brasileira, anuncia que seu PIB foi superior ao que os economistas previam (nem que seja por apenas décimos), é natural que seus papéis “graviolentos” subam um pouco nesse dia.

Por quê?

Porque (pensando de forma reta) se a Índia cresceu mais que o estimado, haverá mais consumo naquele país; é provável que também faça mais investimentos nos próximos meses; ela precisa crescer e se expandir.

Se ela vai crescer, precisará importar mais “commodities” (nesse caso a graviola vira uma commodity, mas pode ser minério de ferro, carne de frango, trigo ou soja).

Resultado: sua ação da graviola vai subir porque as exportações para um país enorme como a Índia DEVEM crescer. “Devem”; não é um fato consumado, certo?

Vamos dizer que você compra ação de uma empresa do ramo da construção civil.

Acontece que 15 dias depois alguém ou um executivo dessa empresa a acusa de ter manipulado o mercado, a própria contabilidade, e ou de ter pago propina para políticos safados.

É evidente que o valor dos seus papéis (das suas ações) vai desabar nesse dia e nos seguintes.

Rarissimamente ocorrerá isso, mas há possibilidade até dessa empresa falir, dependendo do tamanho do escândalo. Mas, repito, isso é raríssimo.

A BOLSA DE VALORES CHACOALHA

Outro exemplo: você compra ações de um banco qualquer, e esse banco é acusado de ter criado um “esquema” para desviar dinheiro de clientes.

Veja bem: pode ser até que o banco seja absolutamente inocente; que quem fez a tramoia foi um funcionário ou uma quadrilha de forma organizada, mas sem conhecimento dos sócios.

Bem, mesmo assim pode tirar o seu equino da intempérie porque suas ações vão despencar.

Se você comprou R$ 10 mil em ações desse banco, no dia do escândalo pode ser que você só tenha R$ 7.500 (exemplo).

Além disso pode ocorrer uma “corrida” de clientes ao tal banco escandaloso para sacar seu dinheiro ou investimentos nos dias seguintes. Isso vai pesar ainda mais contra o valor da sua ação.

AÇÃO NÃO DERRETE

É por isso que algumas vezes você lê no noticiário aqueles surrados clichês econômicos, como eu já disse aqui várias vezes, de que a ação dessa ou daquela empresa “derreteu”, “dissolveu”, “virou pó”.

Odeio essa terminologia porque ela não deixa claro ao leitor-investidor que quase tudo que derrete pode voltar a ficar sólido (inclusive a água).

Entenda: não é porque sua ação “derreteu” (grrr!) que você perdeu o dinheiro para o resto da sua vida, que, oh meu deus, que desgraça, que tragédia, vou logo beber leite com manga porque arruinei minha vida etc e tal.

Nada disso. Não seja um histérico.

Digamos que depois de suas ações bancárias desabarem no tal dia fatídico e de se arrastarem em cotações baixas por semanas e mais semanas… digamos que, depois de tudo isso, as investigações policial, da Receita ou do Carf concluíram  que o banco também foi vítima da fraude.

Que, afinal,  funcionários mal-intencionados fizeram tudo sem o conhecimento dos sócios, que sabe-se lá como o esquema foi montado, mas que a empresa no fundo é inocente….

Digamos mais: que esse banco depois anuncie que sua rentabilidade foi boa ou razoável, que houve lucro expressivo, maior até do que o mercado previa diante da crise etc. etc. (convenhamos que banco que dá prejuízo é fim de feira)…

Bom, antes de mais nada o banco terá, sim, de assumir e devolver o que foi desviado dos clientes.

Mas, suas ações certamente vão disparar, queridos. Quem sabe, em poucas semanas elas não só voltarão a valer o que você pagou –pode ser que passem a valer muito mais.

Repetindo: isso significa que você, na verdade, na maioria das vezes, não “perde” dinheiro investido com ações só porque elas caíram.

Não, porque elas podem passar a valer menos por um período de tempo, mas ainda assim podem subir depois e te dar um enorme lucro.

Mais exemplos grosseiros?

Descobre-se que uma empresa automotiva (deus me livre e guarde que isso ocorra, mas o mundo é assim) fraudou seus produtos durante anos e anos, e que essa fraude começou a causar acidentes e a matar usuários desses produtos.

Bem, amiguinho, prepare-se: suas ações vão rolar barranco abaixo. É a vida.

Outro exemplo: uma empresa brasileira do ramo do comércio recebe uma agressiva proposta de compra por parte de um fundo internacional de investimento.

Pode abrir a champanhe porque sua ação vai disparar. Corra vendê-la.

Mais um exemplo beabá:  empresa estatal X, que tem ações na Bolsa, anuncia que será privatizada:

Ueba! suas ações subirão como um foguete, porque o mercado odeia (com certa lógica) a estatização.

RESUMINDO…

O que eu quero dizer com tudo isso é que o investimento em ações da Bovespa é algo dinâmico e sujeito a oscilações e instabilidades, e que você precisa ter calma e paciência quando entra.

Por isso eu digo que quem investe na Bovespa precisa ter certo sangue frio.

Não é como uma poupança, a qual você sabe quase que exatamente quando terá em conta ao final de 12 meses (se não fizer nenhuma retirada).

Se há possibilidade de você perder dinheiro na Bolsa? Sim, claro.

E para ser objetivo essa chance é, estatisticamente, muitíssimo superior à de você perder dinheiro  numa aplicação ortodoxa como a poupança.

Só que, se você tiver disciplina e interesse, se estudar por vários meses o mercado, se aprender a lidar com essa “volatilidade” que o cotidiano causa à economia, enfim, se ler muito sobre o mercado de ações, você pode ganhar mais dinheiro do que poderia imaginar em toda sua vida.

Nos últimos meses temos visto exemplos na Bovespa de empresas que aumentaram seu valor três, quatro, cinco vezes até.

Ou seja, se você tivesse comprado R$ 1 mil em ações dessas empresas um ano atrás hoje talvez tivesse uns R$ 5 mil hoje.

Onde mais você terá chance de ganhar tanto?

Lembro ainda que se o investimento e o lucro total obtido por você for até R$ 20 mil, você estará isentíssimo de pagar imposto de renda.

Isso mesmo, senhoras e senhores: se você comprar R$ 10 mil em ações de uma empresa Y hoje, e na semana que vem ela estiver por acaso valendo R$ 20 mil, e aí você decidir vender, você NÃO pagará absolutamente NADA de Imposto de Renda.

Vai embolsar todo o dinheiro

Existe outro lugar nesta dimensão planetário em que isso possa ocorrer?

No próximo texto vou falar sobre outro tema: quando comprar e quando vender ações. Passem todos bem.

LEIA MAIS

Veja quais são as empresas listadas na Bovespa

Leia mais sobre como investir na Bolsa no site Ooops!

Veja a biografia de Ricardo Feltrin

Mais sobre Ricardo Feltrin no Google

Ricardo Feltrin no UOL

Sobre:

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Leave A Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.